Back to the top

MENTORES

A mentoria

Dentro do Projeto Retribua, temos o Programa de Mentoria da AEP como uma das ações de suporte ao politécnico em vulnerabilidade socioeconômica. É uma proposta abrangente, preventiva, vinculada ao programa de bolsas de estudos oferecida aos alunos pela AEP.

Adotamos o termo Mentoria para designar o apoio oferecido ao jovem universitário por alguém mais experiente, no seu percurso pessoal e profissional. É um acompanhamento em que a pessoa mais experiente – o mentor – orienta, estimula e se coloca como um modelo positivo e inspirador para o jovem. O objetivo da mentoria é dar apoio às questões pessoais, acadêmicas e sociais, de maneira a apoiar, encorajar e estimular o desenvolvimento do jovem bolsista politécnico ao longo da graduação, tendo sempre o estudante no centro dos encaminhamentos.

Com a excepcional adesão de mentores em 2018, o projeto oferecerá mentoria não só para seus bolsistas, mas também para muitos qualificados pela Superintendência da Assistência Social da Universidade de São Paulo – SAS/USP ainda que não contemplados com a bolsa do projeto.

O mentor

No Programa de Mentoria, o mentor tem o papel de auxiliar o jovem universitário a superar os desafios da vida nos seus vários aspectos, tais como o pessoal, o acadêmico, o social, o profissional, entre outros, a partir do estabelecimento de um vínculo positivo mentor-jovem universitário e de encontros periódicos – presenciais e à distância – compartilhando sua experiência e trazendo outras perspectivas e possibilidades para os desafios enfrentados.

O Projeto Retribua em 2017 experimentou com grande sucesso a mentoria remota. Já em 2018, opera com 18 mentores politécnicos residentes em 7 países.

Nasce um mentor

O grupo de mentores é constituído de voluntários, primordialmente engenheiros politécnicos, selecionados dentre os inscritos no link

As inscrições estão permanentemente abertas e serão sempre analisadas no mês de janeiro. Define-se, então, o quadro para o novo ciclo, que inclui também os mentores do ano anterior interessados em continuar na mentoria.

Os novos mentores recebem , para estudo, o CADERNO DO MENTOR e palestras gravadas que traz os conceitos fundamentais da mentoria e norteia a atuação futura do mentor.

No mês de maio, já com a definição do número de bolsistas qualificados, é realizado o pareamento de mentores e jovens mentorandos a partir das informações levantadas na seleção dos bolsistas e dos mentores.

Ainda em maio, há uma palestra com especialistas em Mentoria, visando uma prática comum e promover a integração do grupo. Por fim, Mentores e Mentorandos são então apresentados e inicia-se o processo de mentoria, que conta com o acompanhamento da Coordenação de Mentoria da AEP. São também estabelecidos canais para comunicação e apoio permanente entre mentor e a coordenação de mentoria.

Um aspecto marcante do mentor da AEP é que ele tem relações históricas com a Poli. Quando o mentor é docente da Escola, estas relações são ainda mais presentes. Se esta é uma vantagem, é também uma área para cautela, pois os papéis de professor e mentor não devem ser confundidos. Em ambos os casos, o universo acadêmico do bolsista é significativo, mas não deve ser o único foco no processo de mentoria.

 

Os mentorandos

Este nosso jovem em geral é a primeira pessoa de sua família a ingressar no ensino superior. Isso significa que não possui uma figura de referência que possa lhe dar suporte direto e constante nas muitas questões pelas quais ele vai passar durante sua jornada acadêmica. É um jovem talentoso e persistente, muito engajado academicamente e resiliente.

Ser aprovado na graduação é a concretização de um sonho e de um projeto de anos; entretanto, a alegria pelo esforço recompensado logo pode dar lugar à angústia dos desafios acadêmicos do curso, da gestão dos recursos financeiros, da organização da rotina e das decisões a serem tomadas com foco na vida universitária e na carreira. E é nesse sentido que a mentoria se torna elemento fundamental no desenvolvimento desse jovem.